31 janeiro, 2011

Dois e dois: quatro



“Não vivemos para nós, vivemos para o outro e nos inventamos a cada dia... Somos seres culturais, criamos nossos valores. É a cultura que nos faz ser gente: quanto mais estudamos, mais humanos nos tornamos”.  


 
“Poema a gente não decide: ele simplesmente vem... Como dizia Manuel Bandeira: não escolhemos o poema, o poema é que escolhe a gente. Sempre há algo que tira o equilíbrio, sempre há um momento em que é necessário traduzir sentimentos em palavras”. Gullar.



Dramaturgo, ensaísta, cronista, poeta, Ferreira Gullar é um autor e ser humano completo. Modesto,  vê na simplicidade a evolução e na complexidade o singelo – preza pela humanidade, que é protagonizada em seus textos, quer sejam poemas, crônicas ou artigos – a exemplo, o poema Dois e dois: quatro.  






                    “Como dois e dois são quatro
                       Sei que a vida vale a pena
                       Embora o pão seja caro
                      E a liberdade pequena (...)”.


Ferreira Gullar

Um comentário:

  1. Adoro esse teu cantinho, adoro vc...
    Bjinhos querida.

    Rose :)

    ResponderExcluir